Em 2007 a Petrobrás anunciou a descoberta de petróleo na camada denominada Pré-sal, além de hoje ser a quarta empresa de energia do mundo e estar em franco crescimento com um aumento maior de 100% no total de Offloading realizados e maior que 250% do número de terminais oceânicos na última década, ela está ampliando a participação de outras grandes Empresas Petrolíferas (como DEVON, CHEVRON, ENI, e outras) para um crescimento ainda maior da produção no Mar, hoje já considerado em escala logarítimica.

Aquela idéia de serviço de convés antes atrelada ao TFO foi deixada bem no passado. Uma grande gama de atividades hoje depende deste sistema, pois temos hoje Monobóias que operam em conjunto com Plataformas de Rebombeamentos, com Unidades Terrestres e com outras Unidades Maritimas de Produção, FSOs que transferem por Sistema próprio ou Monobóias, FPSOs com outros váriados métodos de transferência; Hell com Linha Flutuante e Semi-flutuante, Linha Alternativa de Offloading, Linha Principal não Flutuante, com uso de Troler, com uso de NSV sendo Change-Over ou não. A todos aplicados planos de manutenção preditivos, nas partes emersas e submersas contemplando seus sistemas auxiliares (Pull Back & Amarração).

Para alcançar a eficiência devida, manter os padrões de qualidade internacional em operação e manutenção exigidos pelo mercado, os Mergulhadores hora atuantes evoluíram em técnica, formação e conceito, em face da necessidade de formação em Ensaios Não Destrutivos - END com qualificação reconhecida por entidade própria, garantiram assim uma relativa estabilidade profissional, não é difícil encontrar pessoal com formação de nível superior e fluência em outro idioma não deixando nada a dever para as equipes estrangeiras que operam, como por exemplo, no Mar do Norte ou no Golfo Pérsico, e com o orgulho de serem brasileiros.